terça-feira, 27 de novembro de 2007

Couvert artístico ou esmola?

Pois é, muitos de nós, músicos, acabamos tendo que nos sujeitar a trabalhar na base do raio do "couvert artístico". Definição teórica:

"Couvert artístico é a taxa pré-estabelecida que o cliente paga pela música ao vivo e que é repassada integral ou parcialmente ao músico, dependendo do acordo feito com o dono do bar."

Posto isso, vamos aos fatos:

O fato de ter sua paga atrelada diretamente à quantidade de pessoas dentro do bar, automaticamente, joga para o músico a responsabilidade de levar clientes para o lugar. Ora, a função do músico é de entreter o público enquanto este estiver no estabelecimento. A função de divulgar a casa deve caber aos donos ou gerentes. Músico não é acessor de imprensa, pombas!

Aconteceu de um amigo de um amigo meu ter um trabalho marcado no dia do último capítulo da novela das 8. Cinco gatos-pingados no bar pra ouvir o show (sim, porque os olhos estavam grudados no telão). Saldo da noite: dez reais. Também já aconteceu de uma amiga de um amigo meu ter um show marcado no dia mais frio do ano. Três almas caridosas no bar, totalizando heróicos seis reais.

Moral da história: o trabalho vira uma grande loteria e não uma atividade segura. Como depender disso pra viver?

Claro que existem os casos de músicos que tiram mais de duzentinhos por noite, mas tenho certeza de que, o dia em que isso for mais regra que exceção, esse esquema de couvert se vai para no más volver. E digo mais: 99,99% dos músicos que eu conheço (e eu me incluo nessa porcentagem) trocariam de muito bom grado a loteria do couvert pela segurança de uma paga razoável e constante.

Pra matar o assunto:

Um amigo de um amigo meu (não o mesmo da novela) propôs ao dono da casa:

- Que tal se, ao invés de o senhor me pagar por couvert, não acertássemos um fixo?
- Mas o couvert acaba dando mais grana que um fixo! Vai ser melhor pra você! A casa bomba!
- É mesmo? Então o porque o senhor não acerta um fixo comigo e fica com o couvert para a casa?
- Ah, mas aí pra mim não compensa... vai que a casa não enche...

Contra fatos, não há argumentos. Couvert é uma esmola de nome chique que tem muito mais cara de "exploração" que de "parceria".





Desce mais um chope escuro.

12 comentários:

Neco Vieira disse...

é prefiro não opnar, sobre o Couvert, pois posso mudar de opinião quando eu precisar!


Mas é algo claro, smp o musico sai perdendo!

INJUSTIÇA!

lamosca disse...

É... esse lance do couvert artístico é sempre uma loteria, mas, acredite: sempre sairemos perdendo.

Em Londrina - onde moro e atuo em vários grupos como free-lancer - acontecem coisas inusitadas. Um conhecido bar de Curitiba abriu uma filial por aqui. Pagam cachê fixo (míseros 80 reais), possuem um som "furreca" e a casa BOMBA diariamente. Detalhe: o cachê é fixo e no máximo para 3 músicos.

Infelizmente, a classe musical por aqui é bem desunida e muitos ainda se sujeitam a esse tipo de canalhice.

Bacana seu blog, menina. Continue na luta. É ruim às vezes, mas a gente não desiste não.

Beijão!

ismalia disse...

Na verdade, eu entrei em seu blog, porque queria saber o que significava o COUVERT ARTÍSTICO, agora sei que é a Banda ou músico que estiver fazendo um show e recebe de acordo com o combinado entre o dono do bar e os músicos!!!!!!!
Valeu!!!!!!!
bjs e até mais!!!!!!

Alex disse...

Olá, concordo q por veses o valor apurado no fim da noite seria uma "esmola", mas há q se ter bom senso. Imagine se todo músico chegar a 1 bar e caso lá dê 2 pessoas, e o dono for obrigado a pagar 200, 300, 500, 700 a músico ou banda todo fim de noite!! Os bares acabariam e os músicos teriam q tocar só na praça c chapéu no chão!!! Donos de bares e restaurantes ñ tem só o músico/banda p pagar; tem a sócia da cia elétrica (sabe qto é a conta de energia de 1 bar restaurante?), funcionário, impostos, ECAD, encargos sociais e trabalhistas. NÃO PODEMOS GENERALIZAR. Tem bar q recebe bem e paga mal, tem bar q recebe mal e paga um mínimo justo.
É óbvio q não há como comparar a temporada de novembro a janeiro e a de fevereiro a junho e agosto a outubro. Há q se entender q ñ há como pagar o mesmo c a casa cheia no fim de ano e qdo da casa vazia nessa época de crise, em especial após o carnaval, qdo vem a ressaca de dívidas c fim de ano, férias, impostos, carnaval (ressalvado raras exceções de casas luxuosas de público de classe média alta e alta.
O bom senso deve prevalecer!!!Se o dono do bar não poe música, o cliente reclama "essa budega nun tem nada dun sonzin, pudia por q eu até pagava couvert!" se coloca "esse miserável tá me cobrando couvert!" e qto ao músico se não coloca " vamos colocar, se não ficar legal a gente combina, tô precisando trabalhar!!!" se coloca e não dá nada "o bar é seu, o risco é seu, se vire!!!"
Na verdade, na prática, ja existem centenas de profissionais músicos entre outros que tem o Bom Senso de reconhecer q melhor arriscar a loteria de 1 couvert d que ficar em casa vendo novela, Faustão ou futebol!! Tem dono de bar tbém, q diga-se de passagem q depõem contra toda a classe. Outros são verdadeiros Mescenas!!!
Não vamos generalizar pq existem bons e maus profissionais em todas as áreas, ou seja, bons e maus médicos, bons e maus advogados, bons e maus comerciantes/empresários, bons e maus músicos e artístas!!!
Vamos gente!!! Vamos trabalhar!!!

Charles Valente disse...

Quem se sujeita a receber um Couvert miserável, não merece mais que uma esmola miserável. Seu blog e um show! Valeu. www.charlesvalente.com

Jéssica Casali disse...

então.. eu sou música também.. dependo de couvert, mas sempre faço o seguinte acerto:
determino um piso, se o couvert não passar do preço estipulado, a casa intera o restante.. sempre dá certo :D o que vier a mais é lucro..

Carlpec disse...

Gente!Afinal o que queremos?Quando uma casa te dá um fixo é sinal que ela fatura muito com couvert!Quando te dá couvert é sinal que a casa é vazia!Poucos são aqueles que pagam o justo(ou em cachê ou couvert).Só sei que a música ao vivo se tornou uma fonte de renda pra muito dono de bar,digo,o couvert "artístico",pois quando o cachê é fixo,geralmente ele sempre será bem abaixo do que os caras faturam papando o nosso couvert.Sou a favor do couvert pro músico,não aguento dono de bar,ganhando com couvert artístico!!

fernando luna disse...

Bom,gente..eu sou musico há 34 anos, trabalhando na noite. Em todo lugar do Brasil essa polêmica do couvert existe.- A culpa é de nós musicos, que nao sabemos nos valorizar...tem musico que toca por uma garrafa de cachaça,outros por um picolé..e por ai vai- Mas,se os donso dos barzinhos quisessem reconhecer e ajudar ao musico,acabaria com essa polemica.Bastaria embutir o couver nos preços da casa...assim, ninguem mais reclamaria.O cliente pagaria sem sentir..e tudo se resolveria. Simples assim.

Estética e Depilação disse...

Fala Galera do Bem !!!
O blog da menina é muito interessante, Já toquei em muita banda de baile, eu era baixista, ganhava um cachê DESGRAÇADO, no ano de 1999 era de R$ 60,00 hoje devem estar pagando a um baixista nas bandas da Bahia, coisa de 100,00 ou no máximo 120,00 reais.
tem banda que toca no máximo duas vezes por mês. (ou seja, salário mensal de 240,00 reais).
Por isso mesmo, tomei a decisão de meter a cara nos livros e deixar a música como um Hobby, hoje sou funcionário público ( graças a noites e mais noites dormindo em cima de livros).
A Música pra mim agora, é só violão e voz, isso se eu tiver afim, e se o cara realmente quiser pagar um valor fixo (não menos que R$ 250,00 ) por três horinhas de som.
não quer ? procure um músico mais barato. a cidade está cheia.
enquanto ao couvert, eu acho um absurdo a casa cobrar COUVERT ARTÍSTICO e a tal TAXA DE SERVIÇO. Eu mesmo não pago.
Taxe de serviço ? nunca é repassada para o Garçon, então se o cara me atender bem, eu tiro algum da carteira e sutilmente ponho na mão dele.
e o Couvert, da mesma forma, vc acha que se entrar 400,00 reais de couvert, o dono da casa vai dar isso na mão do músico ? kkkkkkk
é uma piada ! nem FODENDO !!! (desculpe o palavrão é de revolta mesmo). O miserável do dono da casa, vai simplesmente, dar uns 150,00 pro coitado e dizer que só entrou isso mesmo.
Se a casa quer atrair público, contrate um bom músico, e cobre, como o colega já disse, um pouco mais caro pelas bebidas e petiscos.
Eu mesmo, quase todo domingo, almoço na serra da cantereira com minha esposa, e o almoço não sai por menos de R$ 65,00 . enquanto aqui embaixo, não passaria de R$ 35,00 . Por que será que eu sempre volto ao mesmo lugar, pago caro e não reclamo ?
O preço baixo, não é o que atrai o cliente, e sim a qualidade do serviço que lhe é oferecido.
Não é à toa que os restaurantes mais caros de São Paulo vivem lotados.
Então meus amigos. Já passou da hora de acabar com esse negócio de couvert.
Aos que dependem da música pra viver eu aconselharia, arrumar uma segunda ocupação, pois assim, não seria OBRIGADO, a aceitar as famosas "esmolas".
Um grande abraço a todos.
e lembrem-se: "música não é pra todo mundo" é uma ARTE, e o artista tem que ser valorizado.

Unknown disse...

Nao sou musico, só cai aqui por curiosidade, mas segue uma dica.
Só tentar um acordo onde ambos podem se beneficiar com essa loteria de "casa cheia/casa vazia".
estipulem pisos e tetos. se o valor do couvert ficar abaixo de um valor X, a casa completa, mas se bombar muito, a casa fica com o excedente... tipo... supomos que 100 reais é um bom valor (hipotético, nao tenho ideia do que é bom). e o couvert cobrado é de 5 reais, então 20 pessoas pagam isso.
estipule-se que se for abaixo de 60 reais, a casa completa até os 60, mas se for acima de 140, o musico leva os 140 e a casa o resto. isto é, 40% abaixo do "ideal" a casa completa, 40% acima a casa fica com ele.

Unknown disse...

Nao sou musico, só cai aqui por curiosidade, mas segue uma dica.
Só tentar um acordo onde ambos podem se beneficiar com essa loteria de "casa cheia/casa vazia".
estipulem pisos e tetos. se o valor do couvert ficar abaixo de um valor X, a casa completa, mas se bombar muito, a casa fica com o excedente... tipo... supomos que 100 reais é um bom valor (hipotético, nao tenho ideia do que é bom). e o couvert cobrado é de 5 reais, então 20 pessoas pagam isso.
estipule-se que se for abaixo de 60 reais, a casa completa até os 60, mas se for acima de 140, o musico leva os 140 e a casa o resto. isto é, 40% abaixo do "ideal" a casa completa, 40% acima a casa fica com ele.

ganha-ganha disse...

Entrei aqui por estar procurando alguém pra tocar no meu barzinho recém inaugurado e ... simplesmente... brochei... kkkkkk
Acredito ser um cara justo que gosta da "via de mão dupla" e pensei em convidar alguém para estabelecer uma parceria... COUVERT!!!!!!! mas... desisti... sucesso a todos!!!!
Obs. quem está começando precisa dar a mão pra outras pessoas... é o meu caso... sou pobre, mas estou correndo atrás...eu, particularmente, não tenho como garantir um cachê, mas jamais tiraria 1 centavo de direito de uma pessoa que acreditasse em mim...