quinta-feira, 5 de junho de 2008

Música e futebol - a parte ruim

Dia de jogo é uma faca de dois gumes em vários aspectos para quem toca nos barzinhos do Brasil. Futebol na telinha tanto pode espantar quanto atrair a galera e, dentro deste quadro, vários outros aspectos podem tornar a vida do músico mais fácil ou mais difícil dependendo da circunstância.

Concretizando-se a hipótese de barzinho cheio, mesmo a graninha do couvert estando garantida (o que sempre é muito bom), pode ter certeza de que, na hora do jogo, você há de ser solenemente ignorado. Geralmente, o bar que aproveita o futebol pra atrair a clientela investe no telão e na assinatura dos jogos em pay-per-view (coisa que, vamos combinar, menos de 1% da população do país tem em casa, logo, 'bora pro bar pra ver o jogo tomando um choppinho e sem precisar dar grana extra para a operadora tevê a cabo). Para minimizar a solidão nos 90 minutos de bola rolando, cabe lembrar, nos intervalos, que sua voz é mais agradável que a do Galvão Bueno.



(Bem, amigos da Rrrrrrrrrrrrrrrrrrrede Globo! Falamos ao vivo, em definitivo, do Blog do Barrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrzinho!)

Outro problema que, às vezes, acaba acontecendo, é o encontro de torcidas rivais, com elementos que não sabem perder, nem ganhar, nem empatar... só saber fazer confusão. Já aconteceu de uma banda de amigos ter que parar o show em um barzinho porque um são-paulino provocou e um corintiano quis dar-lhe uma "skolzada" na cabeça. Bebida, ignorância e nervos à flor da pele nunca são uma boa combinação em nenhuma circunstância.


Há também o trânsito no entorno dos estádios onde, eventualmente, ocorrem os jogos. Isso, em São Paulo, significa sair uma hora mais cedo de casa. E, também, na volta, caso o seu horário de saída coincida com o término do jogo, significa vidros fechados, cuidado redobrado... e mais trânsito. Uma amiga de um amigo tocava com sua banda, toda quarta-feira, em um bar e, no caminho, passava na região do estádio do Morumbi. Apesar de são-paulina roxa, morria de medo ao emparelhar sozinha no carro, cheia de equipamentos, por volta da meia-noite, com carros e mais carros com 5, 6 marmanjos cada um, geralmente todos bêbados e gritando que nem uns animais.

No próximo post, o lado bom de combinar o esporte bretão com o clima - e a música - do barzinho.

5 comentários:

Jamila Carvalho disse...

muito interessante a sua visão bem humorada do dia do futebol!!!
Uma leitura gostosa e dinâmica!
parabéns!

www.caracamermao.blogspot.com

Fernando Gomes disse...

eu sinceramente não sou um entusiasta de futebol..mas gostei dos seus pontos de vista
:D

http://www.andisaidgoddamn.blogspot.com/

carla m. disse...

Por aqui costumamos ter um outro problema de trânsito em dias de jogos. Todos os carros de torcedores afluem para a Cidade Baixa, o Bairro boêmio da cidade.

E minha casa fica no caminho de ambos os estádios... já viu né?!

¤ Ð∂nïєℓα Pïrєﻜ ¤ disse...

Hahaha... adorei seu ponto de vista... Bom eu acvho q nunca vou quere assisti um jogo de futeboll... Solamente pela tv mesmo

Augusto Mota disse...

rsrsrsrs... Menina, como sempre seu bom humor é uma coisa fantástica... Abraços.
http://hippiesbeatniks.blogspot.com/