quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Ciúme de você



Janjão era um baita baixista. Um groove sensacional, excelente pegada, um músico de primeira. Também era um profissional dedicado: constante nos ensaios, músicas sempre bem tiradas, horários de shows cumpridos, instrumento e equipamento sempre em ordem, birita só depois do show.


Tudo muito bom, tudo muito bem, mas, apesar de todos esses pontos a favor Janjão era carne de pescoço. Um mau humor já folclórico entre os músicos com quem costumava tocar. Uma cara sempre meio fechada, cigarro no canto da boca (embora, quando a banda tocava com pegada, mandando aquele seu tema de jazz preferido, ou aquele blues cheio de feeling, dava pra ver um projeto de sorriso). Uma figuraça.

Janjão também era louco pra se meter em uma encrenca, um típico sujeito metido a machão que, intimidando os rivais com seu metro e noventa, não era de levar muito desaforo pra casa não.

Mas um dia, alguém dobrou esse valentão. Seu nome era Roberta - ou, simplesmente, Bebé.

Loirinha, olhos azuis enormes, rosto de menininha. Delicada, meiga, bem humorada, fã da Sade e da Norah Jones. Ninguém diria que, em qualquer circunstância do mundo real, iriam se apaixonar... mas o mundo real nunca primou por fazer sentido. Dois meses depois daquele guardanapo pedindo "Smooth operator", trocaram as alianças de compromisso.

Bebé acompanhava os shows do namorado com prazer. Sempre que podia, lá estava ela nas Vilas Olímpia ou Madalena (ou qualquer canto de Sampa), curtindo sua cerveja, pedindo músicas e aplaudindo. Na maioria das vezes, ia com as amigas e conversava também com todas as esposas do baterista e do saxofonista. Mas um dia todo mundo furou e Bebé ficou na mesa sozinha.

Ela não se importou... mas Janjão não gostou nada, nada. Errou tudo o que tinha direito no show, tocou distraído, não tirou o olho da sua Bebé. Encarou um sujeito sentado sozinho na outra ponta do bar com seu melhor olhar de ogro- o desgraçado tava secando sua mina! Até o tecladista, que era totalmente zen, olhou meio torto - errar "I feel good" foi demais, bicho!

A próxima música era uma de suas favoritas - e uma das melhores que a banda fazia. Todo mundo improvisava, aquele som exigia o melhor de todos e o resultado sempre era ótimo. Não podia fazer feio. Mesmo porque era a última música antes do intervalo e aí já ia chegar junto da sua namorada e deixar bem claro para o bar inteiro - principalmente pra aquele filadamãe sentado na outra ponta - que aquela loirinha estava muito bem acompanhada.

Improviso de batera. Solo maravilhoso! Banda inteira de olhos fechados, curtindo o som. Menos Janjão, que mantinha os olhos bem abertos e as antenas bem ligadas.

Junta-se o baixo. Janjão improvisa alguns compassos e faz uma pausa. É a deixa do guitarrista que, de olhos fechados, entra com um solo inspiradíssimo e pensando: "grande Janjão! Tem tanto feeling que parou para a guitarra entrar com tudo!". Levou um baita susto quando o batera parou no meio da estrofe e começou a gritar: "Larga o cara! Larga o cara!".



Janjão parou seu solo foi pra sentar a porrada naquele filadamãe que, descaradamente, olhou para a bunda de sua namorada quando ela se levantou para ir ao banheiro. A banda inteira foi apartar, uns clientes do bar saíram correndo (uns com medo, outros aproveitaram a zona pra sair sem pagar), outros também tentaram separar. Bebé ficou sem ação.

Saldo da noite: banda expulsa do bar, Janjão expulso da banda e três dentes expulsos da boca do filadamãe que, sim, tinha olhado descaradamente para a bunda daquela loirinha gata que estava sozinha, numa mesa próxima ao palco.




PS: Os nomes foram trocados para preservar a identidade dos nossos protagonistas. Mas que aconteceu, ah, isso aconteceu!

4 comentários:

Barbara Bastos disse...

Menina, estou pasma!
Que história, hein?
Adorei.
Aqui para nós: amo homens ciumentos....ahahahahah

Bjs

Ind Caroline x) disse...

noooossa
ameeeei a história
e como vc contou :)
aheeahueauh
vc é ótima!
beeeijos
e aaaah, vc mandou e a dona neet tá pra voltar lá pra ksa viiu!! aehueahuea
beeijO

Bruno Cortezão disse...

Quero morrer amigo do Janjão

ótimo blog! parabéns!

Barbara Bastos disse...

Menina...vai lá no meu blog que tem um selo pra ti.
bjs