terça-feira, 18 de agosto de 2009

Vânia Valerie* responde

Alô, doçuras!
Tia Vânia Valerie* foi visitar sua talentosa prima Mathildhe Christhina e voltou pela Marginal do Tietê, pegando a ponte errada e dando a volta no mundo.
Ainda assim, com um sorriso no rosto, aqui estou para responder às perguntas dos músicos e internautas. Aproveitando o fio da meada, agradeço a paciência e o carinho de vocês (Bárbara, obrigada pelo selo, querida!) que clicam aqui todos os dias, mesmo quando essa palerma da Gigi fica jogando Free Cell ao invés de atualizar o blog.


Vamos, então, elucidar duas questões que fazem vocalistas arrancarem os cabelos!

1- Tia Vânia, esqueci minha pasta de letras e não tenho como voltar para pegar! E agora?


Não se desespere, temos várias alternativas:

Caso haja uma lan house por perto e você tenha dérreal na carteira

Solte três rojões e agradeça a Santo Expedito pela graça alcançada. Entre em qualquer site de compilações de letras e imprima todas as 75 do seu repertório que você não sabe de cor.

Caso não haja lan house ou dinheiro

Se o show for em circuitos culturais alternativos, diga que esse show irá levar todos a uma reflexão sobre a inocência perdida e a infância desestruturada. Cante "Parabéns a você", "Atirei o pau no gato", "Borboletinha tá na cozinha" e brinque de palminhas com a plateia. No bis, faça um medley de "Ciranda, cirandinha" com "Caranguejo peixe é", que são bem animadas.

Caso seja um bar mais tradicional, atrase um pouco o show para dar tempo de as pessoas beberem mais. Assim você poderá traduzir letras do inglês para o embromês sem que ninguém perceba muito bem. Resolva o problema das letras em português cantando só as frases ou palavras que você sabe e gritando "AGORA SÓ VOCÊS!!!!". Todos vão cantar juntos, felizes e adorando o cantor interativo, que faz a plateia participar tão intensamente do show.

Sugiro também comprar ginko biloba para melhorar a cabecinha de vento: se você não memorizar as letras, pelo menos, vai se lembrar de pegar a droga da pasta.



2- Tia Vânia, vivo pedindo para o baterista e o guitarrista da minha banda tocarem mais baixo e eles me ignoram. Deixo o volume do microfone o mais alto possível e mesmo assim não consigo me ouvir. O público sempre reclama que não consegue ouvir nem entender o que eu canto. Saio rouco dos ensaios e shows. O que eu faço?


Cientistas de uma renomada faculdade concluíram um estudo em que expuseram o mesmo número de bateristas, guitarristas e paredes ao estímulo "abaixar volume". O número de paredes que atendeu ao pedido foi 66% maior que dos guitarristas e 87.3% maior que dos bateristas.

Em suma, arrume uma caixa de som ou um fone de retorno exclusivo para voz para, pelo menos, você não ficar rouco - porque o público nunca vai conseguir te ouvir quando tem um ogro surrando uma bateria e outro colocando o volume do amplificador no 10.



Vingue-se em oito passos simples:



1 - use protetores de ouvido (desses de natação);
2- dê um jeito de escondê-los (capuz, gorrinho estilo Chaves, cobrir com cabelo, etc);
3- certifique-se de estar próximo à mesa de som, de modo que você possa controlar o volume do seu microfone;
4- ensaie normalmente. O protetor não vai isolar totalmente o barulhão que o povo da sua banda faz e você não vai perder as referências;

5- quando o ensaio começar a ficar alto demais, aumente TODO o volume do seu microfone, gerando aquela microfonia INSUPORTÁVEL (lembre-se de que você estará com seus protetores de ouvido e esse barulho não será tão estorvante para você);

6- continue cantando como se nada estivesse acontecendo até alguém parar de tocar para te xingar e pedir para abaixar;

7- sorria malignamente e diga que tá todo mundo com o ouvidinho muito sensível;


8- repita o procedimento até todos aprenderem que volumes altos não são legais.

Enfim, bêibis, espero que as dicas sirvam a todos os "canários". E, por favor, se alguém aplicar os Oito Passos da Vingança, não deixe de dar seu depoimento.

Mais uma coisinha: Gigi sairá do Free Cell toda quinta feira, das 20:00 às 21:00 para participar do programa Trianon nos Esportes. O quadro "O som do esporte" sempre vai trazer uma curiosidade relacionada aos dois universos. Então, quem for de Sampa, sintonize 740 AM e confira!

E agora vou, que Morfeu me abre seus braços.


*pronuncia-se Valerrí

5 comentários:

TATIANA SÁ disse...

Adorei as dicas tia Vânia!
KKKKKKKK

ps: Boa Gi, sucesso!

Bruno Cortezão disse...

"poemas e amores só chegam quando é hora de chegar"

Q gostoso ler isso... rs

mas meu blog tb anda as traças! r

obrigado por me linkar. linkei o barzinho tb.

morri de rir com o post! Outro dia mesmo eu estava competindo no volume com um percussionista! "manera aeh no batuque" hauhahua

Augusto Mota disse...

Que bom que vc voltou, tava morrendo de saudade !!!

Ed disse...

HEhehehehe

Ótimo post!!!!!!!

Gi... tem um post especial pra você lá no NaWeb...rs

naweb.wordpress.com

Beijos!!!

Ind Caroline x) disse...

eu tenho problemas d som com o pessoal q eu toco tbm.. heauhae PÉSSIMO.. coitado do vocal
mas, enfim, eu q não to em Sampa faço o q? aehuahe.. ;*